top of page
  • Foto do escritorCandace Bauer

Buriti: a árvore da vida e sua conexão com as comunidades tradicionais

Descubra a importância cultural, econômica e ecológica do buriti, a "árvore da vida" das comunidades indígenas e agrícolas brasileiras.


O buriti (Mauritia flexuosa) é uma palmeira majestosa que cresce em áreas alagadas da Amazônia e do Cerrado brasileiro, frequentemente referida como a "árvore da vida". Sua importância vai além de suas múltiplas utilidades práticas, englobando aspectos espirituais, culturais e ecológicos essenciais tanto para os povos indígenas quanto para as comunidades agrícolas e de agricultores familiares. O buriti sustenta a biodiversidade ao seu redor e é intrinsecamente ligado às tradições e práticas de diversas comunidades, que o reverenciam pelo papel vital que desempenha em suas vidas.


Para muitos povos indígenas, o buriti é considerado sagrado devido à sua capacidade de fornecer uma ampla gama de recursos essenciais para a sobrevivência e o bem-estar das comunidades. Cada parte da árvore é aproveitada de maneira sustentável, refletindo um profundo respeito e entendimento da natureza. 


O óleo extraído dos frutos do buriti é altamente valorizado em rituais de cura e proteção. Este óleo é usado para ungir o corpo durante cerimônias espirituais, acreditando-se que possua propriedades curativas e protetoras. Os povos indígenas aplicam o óleo em ferimentos e doenças de pele, utilizando-o também como uma forma de proteção espiritual contra energias negativas. 


Os frutos do buriti são uma importante fonte de nutrição. Eles são consumidos de diversas maneiras, incluindo crus, em sucos, mingaus e doces. A polpa do fruto é rica em vitamina A, vitamina C e outros nutrientes essenciais, tornando-se um alimento fundamental para a dieta das comunidades indígenas e agrícolas. Além disso, o buriti é uma fonte de alimento durante os períodos de escassez, funcionando como um verdadeiro salva-vidas em tempos difíceis. 


Comunidades indígenas e agrícolas utilizam também as suas folhas para construir tetos de palha, cestos, tapetes e outros itens de artesanato, mostrando a versatilidade da palmeira. As fibras das folhas de buriti são resistentes e duráveis, sendo um material amplamente utilizado na confecção de produtos que são vendidos em mercados locais, contribuindo para a economia sustentável das comunidades. 


Para os agricultores familiares, o buriti é uma fonte de renda importante. A comercialização dos produtos derivados do buriti, como óleo, frutos e artesanato, ajuda a complementar a renda familiar, promovendo a economia local e regional. Esses agricultores se beneficiam da biodiversidade proporcionada pelos buritizais, que ajudam a manter a estabilidade dos solos e a fornecer um microclima favorável para outras culturas. 


Importante ressaltar também o papel ecológico do buriti nos ecossistemas em que se encontra. Ele ajuda a manter a estabilidade dos solos em áreas alagadas e serve como habitat para uma grande diversidade de fauna, incluindo aves, mamíferos e insetos. As palmeiras de buriti formam um microclima que contribui para a regulação do ciclo da água e a manutenção da umidade do solo, beneficiando outras plantas e animais ao redor. 


Os buritizais, áreas onde a palmeira buriti cresce em abundância, são essenciais para a sobrevivência de várias espécies que dependem dos frutos e do ambiente proporcionado por essas palmeiras. A conservação dos buritizais é, portanto, essencial para a manutenção da biodiversidade local e para a sobrevivência das espécies que neles habitam. Apesar de sua importância, o buriti e os buritizais enfrentam ameaças devido ao desmatamento, queimadas e expansão agrícola. A degradação desses habitats representa um grande risco para as comunidades indígenas e agrícolas que dependem dessa palmeira para sua subsistência e para a manutenção de suas práticas culturais e econômicas. 


Para proteger essa espécie e os ecossistemas a ela associados, várias iniciativas de conservação estão em andamento. Organizações não-governamentais, comunidades indígenas, agricultores familiares e pesquisadores trabalham juntos para promover práticas de manejo sustentável e políticas de conservação que reconheçam e respeitem os direitos e conhecimentos tradicionais a ele associados. 


Atualmente, na VBIO.eco, temos dois projetos que desenvolvem ações relacionadas ao buriti, ambos apoiados pelo Grupo Boticário. O projeto Buriti dos Sertões de Minas, executado pela Cooperativa Grande Sertão em 50 comunidades rurais no norte de Minas Gerais, tem como principal objetivo investir na cadeia de valor do buriti e outros frutos do Cerrado, conectando essas iniciativas com os diferentes canais de comercialização, promovendo uma sinergia entre os empreendimentos locais e regionais, e envolvendo as comunidades extrativistas nos processos de formação, qualificação dos produtos e construção conjunta do conhecimento. 


Já o projeto Buritizando é desenvolvido pelo CEDAC - Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Cerrado e tem como objetivo organizar o agroextrativismo sustentável do buriti no oeste da Bahia, garantindo renda para 50 famílias agroextrativistas, e a conservação da sociobiodiversidade do Cerrado. Assim, espera-se fortalecer a organização cooperativa e rede de comercialização solidária, obtendo resultados econômicos e socioambientais para as famílias. 


O buriti é muito mais do que uma árvore; é um símbolo de vida, sustentabilidade e conexão com a terra. Proteger o buriti, os conhecimentos tradicionais associados a ele e garantir o extrativismo sustentável é fundamental não apenas para a conservação da biodiversidade, mas também para a manutenção das culturas e tradições que são parte integrante da identidade das comunidades. Assim, a árvore da vida continuará a ser um pilar essencial das comunidades indígenas e agrícolas, nutrindo tanto o corpo quanto o espírito. 


Redação: Candace Bauer 

コメント


bottom of page